segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Pelo caminho garrafas e cigarros...


Apesar de ler Crepúsculo e ouvir Matanza, aquele grupo de jovens tinha algo a mais em comum. Todos buscavam uma identidante interior que fora perdida em algum momento de suas vidas.
A maneira de se expressarem livremente e o gosto pelas coisas do cotidiando aos poucos foram trocados por José Cuervo, canha barata e um maço de cigarros. Cada início de semana era do mesmo jeito. Cada um em sua casa obedecendo e tentando respeitar as regras do dito "lar". Algumas conversas com desconhecidos, pagamentos em bancos lotados e um tédio que nunca tinha fim. Aos finais de semana esses jovens perambulavam sempre à procura de matéria para preencher o vazio de suas almas. Pela madrugada, caminhavam nas ruas e descontavam sua fúria em garrafas de cerveja velha que catavam uma a uma. Entre eles isso acontecia como um ritual, quase uma competição para testar quem extravazava as amarguras primeiro...O sol bateia na cara e mais um dia vinha dar alô, era hora de voltar para casa, fingir que eram bons moços e que estavam felizes por retomar a rotina.
Horas passaram e as mesmas dúvidas encucaram: Onde encontrar a tão sonhava felicidade? Quem terá roubado a nossa serotonina?



Caso um de vocês descubra, nós, jovens insolentes, aguardamos sua resposta...por favor, deixe-a nos comentários abaixo.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

falando em classe...

papo de surdo e mudo

o nascimento
de uma alma
é coisa demorada
não é partido ou jazz
em que se improvise
não é casa moldada
laje que suba fácil
a natureza da gente
não tem disse me disse

no balcão do botequim
a prosa tá parada
não se fala da vida
não acontece nada

se não faltasse trabalho
no meio do barulho
o dia sobra
e sobra muito
papo de surdo e mudo
papo de surdo e mudo
surdo e mudo

ela não passa de onda
paisagem fluminense
parece dia de festa
todo mundo presente
se soubesse rimar
faria um samba antigo
onde reina a calma
e todo mundo é amigo

o calor é sólido
um pedaço eu sinto
como um bafo
e a cachaça
queima bem forte
vibrante e forte
estaria maluco
se não estivesse junto

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009





Sofrimento pra alguns é ser feliz
Pra quem nunca teve nada, um sonho é tudo que quis.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Mais mutante que o segredo, olhe os erros sem a Rita Lee

Se ouvissem sinos na igreja, veriam uma bata de cor marrom

E a criança no sinal, sem dom da musica, sem dom por deus

Vivem a lei do caos, vivem a lei do caos

Então escute o que não posso ouvir, então perceba a dor que eu não posso mais sentir

Se os mutantes, os padres e as crianças estão pedindo por dinheiro

O que muda não os segredos, não são os sinos, não são os empregos

Somos nós, pois o mundo esta exatamente igual

A chuva, o sol, o frio isso tudo é exatamente normal, exatamente normal

E eu ainda não compreendi o que fazem os mutantes sem a Rita Lee

O que fazem os monges sem sinos pra tocar

E o que faz essa criança com uma arma na mão, parada no sinal esperando um vacilo de algum cidadão, para entrar com o chumbo dentro da sua cabeça, para ver o seu sangue riscando o retrovisor...

O mundo esta exatamente igual

Um negro presidente ganhando premio mundial

Dizendo que a guerra é necessária, que precisamos vender armas, que precisamos usar as balas, que as crianças vendem no sinal.

Depois de tanto reclamar, veja que nada vai mudar, saiba que ainda temos nossos segredos e que depois que sairmos pela porta dos fundos, os cidadãos de bem vão sentar a sala pra o resumo das tragédias da semana no jornal nacional.

Sem novela, sem drama, sem culpa, sem cama, sem casa, sem vida ela falou no vão do vidro do carro...

... cem gramas!!!

partes

voce sabe que em algum lugar, estao os pedaços

abandonamos toda aquela intensidade, toda aquela distinta falta de responsabilidade

isso por interesses parecidos, isso causas iguais, a felicidade em partes, a caminho sem as partes, em nós dois…

a nossa realidade é outra, a nossa vida é outra, o nosso caminho é outro

por mais que todas as partes sejam iguais, e que tenha sido tao bom…

as bobagens mancharam nossa amizade

as falas sem pensar cairam como pedras no  oceano

ainda que os olhos reflitam muito ou pouco tempo

ainda que a vida junte denovo os pedaços

essa é a mancha dos erros, aquele escuro eu não quero mais

não, não, não, não…

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009


A calma que paira pelo ar é uma serena paz exterior, você não entende esses ventos, pois não os vê, a minha paz é um gritar enquanto você dorme tranqüila, mantenha teus olhos fechados, pois a calma que eu respiro, pode ser o sopro do teu viver sonolento, a calma e a paz...

domingo, 29 de novembro de 2009

a simplicidade da vida

simples tal como se ve…

GARRAFA_QUEBRADA_01s

mas a pergunta que me faço é realmente ja vimos uma garrafa quebrar ou apenas as quebramos nas paredes, no asfalto, na vida, quebramos todas as nossas garrafas para liberar nossa rotina, liberar nosso destino, liberar a beleza simples do som…

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Sabe eu fico olhando pra chuva pensando em ti

Em qual será tua vontade, qual tua verdade

Eu gosto de te ter do meu lado

Gosto de você de verdade, mesmo quando tu não percebe

Adoro olhar teus olhos de lado, quando tu não me mostra a face

Gosto quando é simples e quando é complicada

Sei que tu tem uma incerteza, mas eu tenho uma certeza de te querer

Mas saiba que eu não quero te perder

Não quero te ver partir, me deixar sem ter pra onde ir

Eu preciso de ti, eu quero viver por ti

Já te disse que minha vida abita teus olhos

Agora te digo que não preciso de mais nada

Te digo que só o que desejo e que tu fique do meu lado

Quero e como quero, ser a tua vontade, ser tua verdade

As gotas da chuva me fazem pensar em ti

Se tens frio, se sente minha falta

O tempo me faz pensar em ti, sobre quanto tempo

Vai durar essa distancia, quando tempo...

Menina moça não se apegue a essa chuva

Olhe por ela o meu amor, é ele quem deve te agarrar

Olhe por ela, meu fervor, meu calor, tu sabe...

Que eu não vou desistir de ti, tu sabe

Que dentro dos meus olhos, só o que existe é tua face

É tua vontade, é a minha vontade, é você.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

It Girl: All she wants



Sempre vinha preparada pra tudo
Com as armas em punho
E a bala no gatilho,
Louca.
Planejava como pegaria o safado
Que roubou sua compaixão...

Ela não ama
Nunca faz drama
Promete aquilo que não pretende cumprir
Sofre calada enquanto sorri.
Usa da sensualidade que ainda floresce
Para fisgar o que lhe apetece.

Faz caras e bocas
Usa frases batidas
Ri das "gatas" que a rodeiam
Estapafurdias e efusivamente esdrúxulas
Donas de aparências e futilidades
Que mesmo entre tanto luxo permanecem com um lado da cama vazio...um lixo!

Ela sempre cheira a incenso
e medita para não mais errar.
Tosse a fumaça do cigarro alheio.
Aproveita-se da sorte
E na loteria da morte
Aposta, saboreando um bom café.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Você entende meu sonho

Agora eu quero entender o seu

Para baixo eles olham

Duas vezes por você

Se você quer saber meu bem

Amanha tu veras mais estrelas no céu,

E o frio, mais frio, bem mais frio

Sem vento algum, com sol de gelo

Que queimara seu medo do escuro

Seram dias sem medo, sem calor, seram dias de amor

Meu amor, entenda agora, me diz

Porque eu não sei, não sei, não sei

Suprir você, como deviria, amanha

O frio esta bom

Vamos queimar nossas almas

Felizes com vidas, sem medo de estar

sem medo de estar, errados ou perfeitos nesse amanhecer

sem vidas físicas, sem arames que possam nos prender

quero estar fácil, aqui

quero estar como for

quero estar a salvo com você...

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Antes mesmo de enfrentar o muro...

É, foi perda de tempo pensar que a situação mudaria para melhor. Agora é esperar os reais fatos...Afinal, qual será a explicaçao para diálogos metalinguísticos, mensagens subentendidas e demonstrações públicas de afeto,se no final das contas há impedimentos marcados pelo Juíz? De que adiantou bolar planos, se de uma ora pra outra a casa resolve cair de vez?! Quem souber me explicar, fique à vontade...
video

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Nostalgico Novembro...


Perdendo alguns valores
Atraindo sempre a insegurança
Inundando em melancolia
Um quarto escuro
Enquanto se esquiva da propina que a saudade insistente oferece.

São cenas,
Imagens pequenas,
Apenas fragmentos que fogem à realidade.

O retorno daqueles verdes olhos trás na bagagem a certeza de que algo não se esqueceu, nada se perdeu neste curto espaço de tempo...

E por mais que esteja vestido em sua barba cerrada e
Vivo apenas em fotos arquivadas, confunde todos os sentidos
E consegue despertar a mais frenética euforia antes adormecida em mim.

Mas de fotos, barbados e olhos eu não vivo.
Prefiro degustar do pecado e
Deixar que em minha pele queimem todas as emoções
Para ao menos não esquecer que devo continuar respirando...

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Hoje acordei de um sonho branco, um sonho desses que não acontecem todos os dias
Não foi um sonho de papel mache
Nem um sonho de vidas passadas
Não sonhei com cimento fresco nem nada,
nem com alienígenas na estrada
Sonhei um sonho branco com uma ampulheta vazia
Sonhei com meu telefone tocando anestesiado como que sem vontade ele dizia “eu não quero mais ver você” e eu não entendia, ele dizia que se os grãos pararem eu também poderei
Não gosto de me atrasar, mas teu sorriso me fez tocar assim sem vontade, sem vontade de saber quem quer o que com você.
Um dia acordei de um sonho parecido onde os carros não andavam e os discos voadores não giravam, eu penso em tudo como um nada porque enxergo tudo no campo do outro lado da estrada.
Estou sumindo porque estou passando pro outro lado da ampulheta e ela esta vazia,
se eu soubesse voar,
se eu soubesse voar,
se eu soubesse voar
sabe procuraria
um caminho de volta pra casa com meus sonhos brancos sem luz da lua, sem cor do sol, com teu sorriso sem tempo de acabar porque meu bem não temos tempo perto do fim hoje, pois nossa ampulheta esta vazia...

domingo, 8 de novembro de 2009

Não tinha como não escrever gritar, enlouquecer sobre a loucura humana depois dessa noite de sábado, o novembro me surpreende:

  • com esta noite fria,
  • com filme dos beatles,
  • com skol dentro dum carro branco,
  • com lasanha de peito de peru com molho branco as 4h da manha,
  • com fósforo na calçada,
  • as garrafas desfeitas pelas ruas,
  • o pastel dormido do mercadinho,
  • o globo rural é deprimente,
  • o dedo retalhado na garrafa de johnnie
  • e a aline moraes tetraplégica.

E o espanto de tudo isso? A novela não imita mais a realidade estamos em um momento onde a realidade tenta imitar a novela e cada vez mais estamos nos perdendo, a tristeza em tudo isso é que cada vez mais deixamos de dar importância as coisas que estão se tornando banais, a felicidade é que apesar da dor nos divertimos, afinal bom mesmo é ir pra rua e se faz bem ou mal tanto faz....

...Bom é quando faz mal, mas hoje não é um bom dia pra ser aline moraes.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

muito do que passou...

Muito boa noite!

Bom, meu nome é Andrine Siqueira de Vargas, e sou o novo contribuente deste blog de peso.
Espero saciar as expectativas, e manter o excelente nível das postagens dos meus amigos Alexandre Blanco e Leno Lebowsaskhakshdkbambnbmki, que desde os primórdios da blogosfera alegram os nossos dias.

Encerrando o blá blá blá e o puxassaquismo, (de acordo com as novas regras gramaticais) encerro este post de apresentação com uma foto que eu achei na Internet pesquisando em SAITES:





AKLJSHDL~ KAJHLSKJKAJSHKLJ sempre rio quando vejo isso.


A pedidos do grande amigo Leno, sem fotos da minha bunda peluda. Beijos.







quinta-feira, 5 de novembro de 2009

chuva...


“chuva miúda não molha meu coração...” certamente eu não deixaria de falar do coração, das paixões e amores enquanto falo de tão bela graça que nos é dada pela mãe natureza. Eu diria que a chuva é tão bela quanto à neve (esta que não se fez presente frente aos meus olhos em nenhum momento de minha vida), porem, as gotas de chuva são perfeitas, sim e não, diferente dos flocos de neve suíços que são perfeitos as gotas de chuva tem muitas variações, e por isso as comparo com amores e paixões. O que é um amor? Amor é aquilo que não se explica tamanho sua intensidade, regado aos poucos floresce em pouco tempo se esvai tão rápido quanto surge o sol, atinge pontos infinitos de loucura e desejo como dançar debaixo de um temporal, é preguiça que se estende durante uma manha nublada e acaba por não dar em nada, o amor e a chuva andam de mãos dadas, debaixo do sol de novembro em uma tarde quente de belo arco íris ou numa noite fria de setembro próxima do amanhecer. E a paixão o que tem a ver com a chuva? Ela é a sua máxima intensidade inundando cidades, levando casas é o caos, é a lama. A paixão destrói um homem sem pedir permissão ela consome, consome até que não sobre um coração, mas ela salva vidas quando vem de encontro certo, como uma colheita na seca que volta a viver, e eu, eu vivo da paixão e do amor pela chuva, eu vivo das dores e sofrimentos, vivo dos amores alegres, da euforia cósmica de um beijo, da tristeza de um afogamento, da simplicidade do seu sorriso, e da duvida na tua boca, a chuva me acalma, a chuva me entorpece, mas não é longe do teu coração que ela faz isso, pra mim a chuva é teu coração belo, duvidoso, amável e carinhoso comigo mas ainda assim sei que se não souber aproveitar a chuva que floreira, poço ter do teu coração a minha dor traiçoeira, então assim como a chuva não deixa secar as folhas das arvores, não o teu coração esquecer que eu vivo por ele.



leno l. oliveira

domingo, 1 de novembro de 2009

alem da sua realidade, onde...

se teus sonhos só te fazem rir a sua realidade não passa de sangue e dor,
mas se teus sonhos te consomem quando acorda,
a felicidade chama seu nome ela espera por você, porque nossos sonhos não são nosso desejo de realidade, são o oposto de tudo que fizemos...
enquanto você esta perdida em sonhos bobos, alegres e confortantes,
abra seus olhos e comece a viver,
você é só um anjo que nao sabe voar, minha criança...



leno l. oliveira

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

sim sim!



Yesman Estrelado por Jim Carrey e dirigido por Peyton Reed deixa mais uma vez tal qual em 'O Mentiroso' Jim Carrey em uma situação estranha, em O Mentiroso ele sofre por não conseguir mentir, e em Yesman por não conseguir dizer não a nada nem nínguem deixando as coisas um pouco fora de controle, um filme engraçado obviamente e com uma moral mais que interessante sobre como devemos abordar nossas vidas efêmeras. recomendo tal película...abrasss!

Alex Blanco

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

longe demais pra ter você...

Fique aqui perto de mim, e me diz porque me quer assim

Você diz que não quer minhas emoções baratas

Que eu não posso te saciar, que assim não vou tocar seu coração

Que estou longe demais pra ter você

Que minhas emoções são de plástico descartável

E que seu coração tem muita maldade

Que sua vontade não passa de nada

Que eu estou longe demais pra ter você.



leno l. oliveira

sábado, 3 de outubro de 2009

pra viver um jeito inocente...

Eu queria um tempo pra viver

Eu quero uma vida pra me arrepender

Será que amanha quando eu ver você, ainda vou sorrir

Será que agora ou depois você vai perceber

Quando as estantes estiverem cheias de você

Eu vou embora, mas não feche a porta

Não feche a porta, não feche a porta

Eu preciso de tempo pra viver

Preciso de uma vida pra me arrepender

Preciso de sonhos pra ter você

Preciso da gloria, preciso uma historia

Quero teus sonhos, então, não feche a porta...


leno l. oliviera

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

um certo dia que conheci alguem que gostava de chamar zumbi...

se dormir sem meus olhos, espero que perceba
não que me entenda, que me veja
eu vivo sem sentido e sem explicação
talvez meu tentar te fazer bem, tenha sido em vão
alguns sorrisos que possa ter ti dado espero que os mantenha guardados
e os meus sorrisos que foram presentiados
serão sempre esculpidos nas lembranças da tua vida.




leno l. oliveira

domingo, 9 de agosto de 2009

*eu vou fazer um viajem

*ela pode demorar algum tempo

*não é nada físico tipo ir daqui a qualquer outro lugar

*é coisa minha

*talvez a minha mente fique fria

*minhas palavras vazias

*mas o tempo de voltar

*vem andando cada vez mais rápido

*e quando chegar devo ser eu mesmo.

*um que já conheça

*um que já esteja perto da conclusão real das coisas

*e ainda vamos ser...


Leno L. Oliveiera

Amizades

Tenho a fome nos meus olhos tristes
Vejo a face de anjo triste
Como a vida sem um par
A beleza que se esconde num dia chuvoso
Vai atraz das nuvens e você não vê
A tristeza que tu enxerga é o mau do seu rosto
Não quero mais pensar
Que as estrelas só são belas porque são cheias de dor
Tu vês estrelas como felicidade e acha triste um dia cinza sem cor
Eu só queria um par, beleza cinza como um carinho de estrelas atraz das nuvens.



Leno L. Oliveira

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Me absorva, me entorpeça, mas não me regenere faz de mim a faca, a boca, e a palavra

Faz contigo o corte, e o grito, estremeça e me abra, leia por dentro dos meus olhos a minha nuca.

Viva de minhas palavras, coma as minhas desgraças e eu sentirei tua vontade

Sou um dos poucos que te ama, sou o pouco que te escuta.

Vivo os teus sentidos, sou tua vontade exagerada, o grito.

Pra viver espero teu peito, perto... Com uma palavra na boca...





Leno L. Oliveira

sábado, 1 de agosto de 2009

Belchior por Los Hermanos
"eu quero que esse canto torto feito faca corte a carne de voces"




Leno L. Oliveira

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Sequências inanimadas

Falar sobre quadrinhos era o que eu tinha em mente, porem fui entrar no orkut antes, o buddypoke q era um quadro animado, esta virado em seqüências inanimadas, ficam aquelas imagens ali paradas com um porco e uma flor, hahaha a menos q seja um profissional em “buddypoke” (e acreditem eles existem) não se sabe q porra é aquela, quando vi um porco ali pela primeira vez achei q tinham criado um emoticom pra “SUINA” kkk momentos de crise levam a pensamentos por estes momentos, enfim isso não tem nada a ver com o “post”, pra fala verdade as seqüências são q as pessoas agem pelos outros, quando alguém disse q toda ação tem um reação(eu sei quem falo mas assim é interessante), foi uma das coisas mais geniais, depois do controle remoto e da coca-cola, as pessoas são reações puras, acordemos ninguém se controla, ou somos todos seqüências inanimadas só ns movemos por ações dos outros, e pra falar a verdade é isso q gira o mundo!!


Leno L. Oliveira

Trapos

Depois de muita “melosidade” creio que está mais do que na hora de voltar a escrever coisas sem sentido algum. Ontem logo no inicio do dia (fim da noite pra mim) depois de muita jogatina, amendoim, e a porcaria da TV Brasileira, chagamos ao ponto que, ir embora antes da Encantadora dona da casa acordar era potencialmente a melhor opção (visto que ficar escondido no quarto dos fundos definitivamente não era nada atraente), enfim na volta pra casa o silencio pairava dentro do carro “cinza”, e eu pensava em um porque? Alternativo. A seqüência de acontecimentos não diz nada, uma mola quase tira a visão de um piloto, a gripe esta devastando o mundo, mas e daí? É tão mais fácil viver nossas vidinhas nos importando com coisas pequenas e sendo “felizes”, quer saber, é mesmo , então sejamos o mais felizes que podermos, pois, assim pelo menos esquecemos do frio, da fome, da falta de sorte de alguns e vivemos sem pensar que isto que estamos jogando fora, os “trapos” podem ser a ‘felicidade falsa’ de alguém!




Leno L. Oliveira

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Tardes

Depois de risos, teus olhos pareciam cada vez mais meus
Antes do vento gelado na rua, antes do frio nos meus braços
Durante esse tempo tivemos três luas, uma de conforto, uma de espaço e outra de medo
Medo do que pode vir, medo dos extremos, covardia diante a intensidade
A pura verdade é que o teu gostar foi congelado pelo vento
E teus olhos, uma ilusão pro meu simples pensamento
Um erro de desejo, fui teu brinquedo, teu móbile de uma corda só
Isso depois de uma tarde feliz, depois dos teus risos, depois daqueles olhos
Fica-me a saudade do teu doce e a lembrança de duas ultimas palavras “te gosto”
Leno L. Oliveira

sexta-feira, 26 de junho de 2009

A luz presente em minha vida, esta sendo escrita no frio
Eu olho pro tinto a minha frente e o sinto derramando
Manchado esta o pequeno espaço, entre as linhas, quase que imperceptiveis
É este brilhante trancado de euforia e caos
Como um simples desenho de sombra confusa
Eu espero que tu me induza, a pensar mais em você
A parar de instante em instante, pensando...
Na escrita,
No frio,
Na vida
E a luz, a luz de prata que esta no pequeno espaço, brilhante, manchado
Confuso o teu embaraço me atrai, eu espero que a tua luz se refaça
Bem no meio do meu frio
O teu brilho é meu caminho, entre as linhas, quase que imperceptivel.

Leno L. Oliveira

terça-feira, 23 de junho de 2009

Quando eu te vi, eu pensei
Por que você não dorme a noite
Por quem você ouve suas canções
Em quem você, pensa enquanto tenta dormir
Será que você já pensou em mim...
Quando eu te vi eu pensei
O que ela sente quando ve as arvores
O que ela pensa, quando se destrai
Pra onde vai? Eu posso entender?
Existe um porque que eu não sei
Em teu sono, em tua vóz, em teus olhos
Será que um dia chegaram a me ver
Quando eu te vi, eu pensei
Que você estava aqui porque eu chamei.
Leno L. Oliveira

sábado, 20 de junho de 2009

Voces veem a complexidade em tudo
Consideram o tempo um marco para açoes
São capazes de dizer por ele o que julgam cedo ou tarde
Não sei bem onde estou me metendo
Sei bem o que fiz de errado
Ter vontade de não acreditar no tempo
Ter vontade de me prender a uma realidade que não existe
Claro, eu ainda pensei que podia realmente existir
Eu não existo, eu não vivo e eu não julgo
Sou apenas uma peça, uma engrenagem na vida monotona da sociedade
Pelo bem da verdade que eu enxergo “isto fica feliz em ser util”.


Leno L. Oliveira

sábado, 13 de junho de 2009

Ver você com sempre quis no entardecer esperando anoitecer
Teus olhos, vejo a cada noite antes de adormecer
És tu minha menina, meu amor, minha rosa prata na luz do luar
E quando as estrelas se põem a cantar é só em ti que consigo pensar
Vejo-te nos pingos perfeitos da chuva ao meu redor
E o meu corpo calado e com frio, minha mente contigo e ao meu lado um vazio
Eu sempre no entardecer esperando o anoitecer pra poder te ver
E livrar o frio do vazio com teu ser
E minha razão querendo antes ver teu adormecer Dias e noites iguais sempre uma espera por você.
Leno L. Oliveira

quinta-feira, 11 de junho de 2009

O desabafo é o contexto do espaço
E eu gosto de pensar no meu espaço
Procuro a distancia no retrato, e as palavras,
Que se tornam sinos
Que se separam em pedaços
E no som dos sinos vejo os teus traços
A se destanciar do meu abraço
Fugindo do meu riso com teu riso como motivo
Teu corpo é uma desculpa com pele, com alma, com vida e sem razao
Tua mente é meu motivo, sem pele, sem alma, com vida e com razao
Espero a tua desculpa sem culpa
No meu abraço, nos teus olhos e na tua boca.



Leno L. Oliveira