sexta-feira, 11 de março de 2011

Moça da camisa xadrez

Aos poucos caídos sobre as costas, belo xadrez exposto

Aqueles fios me remetem, ao pensamento continuo

Um desejo ilógico de poesia aos ouvidos, dedos que transpassam os fios dourados

Bela moça de olhos e lupas, sorriso anestésico motivante de amor

A pele visivelmente lisa correndo pelos braços

Moça és um âmbito de beleza crua, pura, sem as farpas do vento

Vejo um momento feliz em cada tropeço que tenho em seu caminho

Despeço o que sinto e que não sai aos olhos, despeço do prazer que não tenho

Oculto a vontade e transponho a timidez, quero e espero, mas não me movimento, não mudo, não falo, não faço e perco

Moça se andar no meu caminho, espero que teu sorriso me veja, teus olhos me beijem e tua boca me ame.

3 comentários:

(♥gabi♥) disse...

Uau, amei esse texto!

Tassyane Goulart Nunes disse...

Nossa, Leno!
Não sabia que tu escrevia!
Parabéns, belo texto, muito intenso.
Beeeijo

leno oliveira disse...

Obrigado Gabi e Tassy, comentários sempre são bem vindos, e alegram-me a escrever mais. :D